Grupo Figueira da Glete

  Cantinho dos gletianos da História Natural, da Química e da Psicologia Experimental

             

 

Sobre Paschoal Senise

   
  >Em 26 de julho de 2011 10:13,  <vklosori@... >  escreveu:

  >São Paulo, 26 de julho de 2011 10:13h

 >Caros amigos,
 
  >Não sei se a notícia já chegou até vocês, mas perdemos o prof. Senise, no dia 21. No dia
  >22 às 14 horas, ele foi cremado no cemitério do Horto da Paz, em Itapecerica.
  >Estou enviando a mensagem que recebemos com fotos e uma nota escrita pelo prof. Ivano
  >Gutz, que fez doutorado com Eduardo de Almeida Neves, glettiano também já falecido e
  >discípulo do Senise.
 
  >A missa de sétimo dia será amanhã, dia 27/07 às 19 h na Igreja Nossa Senhora Mãe do
  >Salvador (Cruz Torta), Av. Prof. Frederico Hermann Jr., n° 105, Alto de Pinheiros.
  >Infelizmente, eu já tinha uma viagem agendada para hoje e não estarei em São Paulo
  >amanhã.
 
  >Embora sendo o Ano Internacional da Química, 2011 está se revelando um ano muito 
  >ingrato. A Química perdeu em 3 de março o glettiano Alcídio Abrão, do IPEN, e os
  >professores aposentados do IQ, Otto Gottlieb, em 20 de junho, Divo Saniotto, em 19 de
  >junho e dra. Lilia Rosária Sant’Agostino, em 11 de julho. O Divo e a dra. Lilia eram
  >glettianos. E agora o Prof. Senise. É muita perda em datas tão próximas. Não parece
  >real.
 
  >Anexo também um texto que o Fernando Ornellas, diretor do IQ, nos repassou. O texto
  >lhe foi enviado pelo prof. Richard Weiss, da Georgetown University. Na mensagem, o
  >prof. Weiss afirma que o "Sinto muito" não serve neste caso e que "Uma montanha de 
  >ciência do Brasil e o criador do Instituto desapareceu do mapa".
 
  >Difícil acreditar e aceitar que não vamos mais poder entrar na sala do Professor e
  >conversar com ele. Era sempre uma conversa tão inteligente, tão gratificante. E ele
  >sempre tinha a maior satisfação em nos receber. Nunca estava ocupado demais para não
  >nos  atender. Que falta nos fará!  
  >Abraços para todos,
 
  >Viktoria

 

   
> From: Diretor IQ <diretor@...>
> To: comunidadeiq@...
> Date: Mon, 25 Jul 2011 17:08:44 -0300
> Subject: [IQ] Falecimento de Paschoal Senise - Professor Emérito da USP
>
> Prezado Senhores,
>
> A pedido do Diretor do Instituto de Química, elaborei e repasso nota sobre o
> falecimento do meu avô acadêmico, Prof. Paschoal Senise, ocorrido em 21 de
> julho passado. O Prof. Senise, aluno da 1ª turma de Química, foi Conselheiro
> do CO e presidente da Comissão Central de Pós-Graduação da USP por quase
> duas décadas.
>
> Incluo algumas fotos, se bem que a Reitoria dispõe de imagens próprias, por
> exemplo, das comemorações dos 75 anos da USP, em que o prof. Senise foi
> homenageado.
>
> Aproveito para informar que a missa de sétimo dia do Prof. Paschoal Senise
> será celebrada na quarta-feira, dia 27/07 às 19h na Igreja Nossa Senhora Mãe
> do Salvador (Cruz Torta), Av. Prof. Frederico Hermann Jr., n° 105, Alto de
> Pinheiros, São Paulo, SP
>
> Cordiais Saudações,
>
> Ivano G. R. Gutz
>
> Nota de Falecimento: Prof. Paschoal Senise
>
> É com pesar que comunicamos o falecimento do Professor Emérito Paschoal
> Senise, ocorrido no dia 21 de julho de 2011. Admirável como docente,
> cientista, acadêmico, dirigente, formulador, conselheiro, gentleman e amigo,
> o Prof. Senise foi o protagonista da implantação do bem sucedido sistema de
> pós-graduação da Universidade de São Paulo, com profundos reflexos no
> sistema brasileiro. Ofertou à Educação todo o trabalho de sua longa vida,
> como bem registra o livro que lhe foi dedicado pela CAPES, “Paschoal Senise:
> uma Carreira Dedicada à Educação” [Colli, W. et al. (Eds.), Brasília,
> Paralelo 15, CAPES, 2001].
>
> Nascido em agosto de 1917, Paschoal Ernesto Américo Senise ingressou na
> recém-criada Universidade de São Paulo em 1935, como aluno da 1ª turma do
> Curso de Química. Em 1939 foi admitido com Assistente Adjunto da FFCL,
> enquanto trabalhava em sua tese, orientada pelo Prof. Heinrich Rheinboldt e
> defendida em 1942. Foi o primeiro docente da instituição a concentrar-se na
> Química Analítica, sempre propalando a visão de que a pesquisa deve
> voltar-se para a elucidação de fenômenos básicos e gerar conhecimento amplo,
> para que dele decorram, de maneira lógica e natural, as aplicações
> analíticas. Contribuiu nas linhas de extração com solventes com destaque
> para sais de fosfônio, estudos de estabilidade de complexos, especialmente
> os de pseudo-haletos, desenvolvimento de spot tests e métodos quantitativos
> de análise. Cuidou da introdução de linhas de pesquisa em análise
> microquímica e química eletroanalítica depois do pós-doutorado com os Profs.
> Philip W. West e Paul Delahay nos EUA (1950-1952). Crescentemente
> requisitado em atividades de gestão acadêmica, gerou, assim mesmo, relevante
> produção científica, inclusive quatro dezenas de trabalhos científicos
> indexados. Entre seus dez discípulos, Eduardo F. A. Neves, Alcídio Abrão,
> Jaim Lichtig e Oswaldo E. S. Godinho foram os mais pródigos na formação de
> pós-graduados, que se espalharam pelo país e, em sua maioria, seguiram
> carreira universitária, de modo que sua descendência acadêmica já alcança a
> 5ª geração e é contada em centenas. Suas aulas magistrais, devotadas à
> compreensão dos equilíbrios químicos e demais princípios em que se
> fundamentam as técnicas e métodos analíticos, mesmo quando dirigidas à
> graduação, atraiam doutorandos e até docentes do quadro.
>
> O Prof. Senise ascendeu na carreira até o cargo de Professor Catedrático
> (1965) e, como primeiro diretor do Instituto de Química da USP (1970-1974),
> acolheu e integrou com sucesso, nos novos departamentos de Química
> Fundamental e de Bioquímica, todos os pesquisadores dessas áreas, dispersos
> pelas unidades da universidade até a reforma universitária de 1970. Voltou a
> ocupar a direção entre 1978 e 1982, quando impulsionou a ampliação do quadro
> e da infra-estrutura. Sua atuação como presidente da Câmara Central de
> Pós-Graduação da USP por quase duas décadas (1969-1987) foi decisiva na
> implantação e estruturação da pós-graduação na USP e no seu florescente
> desenvolvimento. Senise compôs ou dirigiu conselhos de entidades como CAPES,
> FAPESP, CNPq, Conselho Federal de Química, Instituto Butantan, Academia
> Brasileira de Ciências e outras. Com inteligência, discrição, estilo e
> precisão peculiares, o Prof. Senise nos dá a conhecer a história que ajudou
> a moldar no livro “Reminiscências e Comentários sobre a Origem do Instituto
> de Química da USP” (2006, disponível no site do IQ-USP). De leitura
> obrigatória são, também, as suas reflexões e citações de outros eminentes
> cientistas sobre as diferenças entre “Química Analítica e Análise Química”
> (Química Nova, 1993, 16, 257).
>
> Durante todo o último quarto de século, já como Professor Emérito da USP
> (1987) e, consecutivamente, Prof. Honorário do Instituto de Estudos
> Avançados da USP (1997) e Pesquisador Emérito do CNPq (2004), Paschoal
> Senise prosseguiu trabalhando do IQ-USP todas as manhãs e interagindo
> semanalmente com as novas gerações de mestrandos e doutorandos ao coordenar
> os Seminários Gerais em Química Analítica. Atendia com admirável,
> cordialidade, lucidez e dedicação todos quantos buscassem sua ajuda ou
> conselhos.
>
> Membro da Academia Brasileira de Ciências e de várias associações
> científicas nacionais e internacionais, o Prof. Senise era Comendador da
> Ordem do Rio Branco (1976), recebeu a Grã-Cruz da Ordem Nacional do Mérito
> Científico (1994), as medalhas do Jubileu de Prata (SBPC, 1973) e Simão
> Mathias (SBQ, 1997), os prêmios Heinrich Rheinboldt (1969), Moinho Santista
> (1981) e Anísio Teixeira (MEC, 1991) e outras honrarias e homenagens.
>
> Em suma, o Brasil foi servido durante 3/4 de século por um acadêmico que,
> com talento, estudo, ética, espírito universitário e amor ao trabalho, gerou
> ciência, deixou escola, educou gerações, administrou instituições, traçou e
> geriu políticas científicas. Sua memória certamente persistirá como
> paradigma para as gerações vindouros, exemplificas pela multi-talentosa
> pré-universitária Tábata C. A. de Pontes, vencedora de diversas olimpíadas
> científicas no país e que acaba de conquistar medalha para o Brasil na
> Olimpíada Internacional de Química. Tábata quis conhecer o Prof. Senise e
> ele a recebeu em 21 de junho passado. Ambos comentaram ter ficado
> impressionadíssimos nesta que foi a última longa entrevista.
>
> Fonte: Ivano G. R. Gutz
 

> De: César Ades <cesarades@...>
> Data: 26 de julho de 2011 10:19
> Assunto: Re: [IQ] Falecimento de Paschoal Senise - Professor Emérito da USP
> Para: vklosori@...
> Cc: Neuza Guerreiro de Carvalho <vovoneuza@...>, "Angélica Z. P. Sabadini"
> <angelicazps@...>, Carlos Ribeiro Vilela <crvilela@...>, Nelson Custódio da Silveira Filho
> <nelsoncustodio@...>

> Caros:
> Fico sinceramente sentido com a notícia do falecimento do Prof.
> Senise. Tive pouco contato com ele, o conheci por ocasião de nossa
> exposição Glette que ele visitou. Ele me passou a imagem do cientista
> pleno, ao mesmo tempo erudito e conhecedor e atento ás opiniões dos
> outros. São pessoas como ele que fazem a nossa ciência. Se houver
> oportunidade, gostaria que o IEA se associasse às homenagens prestadas
> ao Prof. Senise.
> Abraços,
> César
 

   
>De: Nelson Custodio da Silveira Filho <nelsoncustodio@...
>Data: terça-feira, 26 de julho de 2011 16:22
>Para: < figueira_da_glete@yahoogrupos.com.br >
>Cc.: vklosori@... <vklosori@...>
>Fwd: [IQ] Falecimento de Paschoal Senise - Professor Emérito da USP

>Caros amigos do Figueira da Glete,

>Encaminho a presente mensagem com muita tristeza. Ela informa o falecimento do Professor Paschoal Senise
>do Instituto de Química da USP, no dia 21 de julho próximo passado. Como todos sabem, o Professor Senise
>formou-se em química em 1937, na primeira turma do hoje extinto curso de Química da igualmente extinta >Faculdade de Filosofia Ciências e Letras da USP. Foi um dos baluartes da Química da USP e do Brasil. 
>Pessoa de educação finissima, um Mestre de ouro para seus alunos. Na história da pós-graduação da USP, o  >trabalho do Professor Senise foi marcante.

>Quando o movimento do Grupo Figueira da Glete eclodiu expontaneamente em 2001, o Prof. Senise foi um dos
>primeiros a aderir a causa e objetivos do Grupo, tendo inclusive enviado seu curriculo para ser publicado no
>nosso site, sob a forma de microbiografia:  http://www.figueiradaglete.com.br/hn_noticias.html  e 
>http://www.figueiradaglete.com.br/minibiografias.html

>Muito provavelmente, motivado e entusiasmado com o movimento dos gletianos no sentido de recuperar a
>história da Glete, o Dr Paschoal Senise foi o primeiro a escrever um livro sobre a Glete. Seu livro, intitulado
>"Origem do Instituto de Química da USP Reminiscescências e Comentários" foi publicado em 2006 está
>disponivel para downloads neste endereço da Internet: http://www2.iq.usp.br/fundamental/index.dhtml?>pagina=42&chave=TkT . O Dr Senise, no seu livro, falou diretamente sobre o "espírito da Glete" que até hoje >medeia e renova anualmente nossos laços de amizade nos  Encontros Anuais do Grupo Figueira da Glete. >Reproduzo a seguir algumas palavras do Prof. Senise versando sobre seu trabalho de recuperação histórica
>sobre as origens do Instituto de Química, como qual convivemos por um bom tempo na Glete.

>“Assim é que resolvi contar, de maneira simples, fatos que presenciei ou em que, por força das
>circunstâncias, tive participação, sem nenhuma pretensão de realizar trabalho de real cunho histórico.
>A  narrativa me levou naturalmente a tecer alguns comentários que me pareceram pertinentes e, em
>conseqüência, a externar a minha opinião. Nada de profundo, porém, pois apenas procurei apresentar
>uma visão panorâmica que, estou certo, conterá falhas e omissões nvoluntárias, mas que espero possa
>ter algum valor informativo
”.

>O Grupo Figueira da Glete recebeu e guarda com carinho uma cópia do livro do Dr. Senise eternizado com uma
>dedicatória do autor.

>Neste link, http://www.figueiradaglete.com.br/historia_quimica.htm do site do Grupo Figueira da Glete vemos
> em várias fotos históricas dos ex-alunos da Química a presença marcante do Professor Senise.

>O Dr Senise deixa saudades, mesmo para aqueles que pouca oportunidade tiveram de conhecê-lo mais de perto.

> Nelson Custódio da Silveira Filho (Capi67)

Clique aqui para conhecer um histórico preparado pela Professora Viktoria Lakatus Osório, falando sobre o livro do Professor Senise, onde ela aproveita para ressaltar e registrar alguns aspectos históricos relevantes sobre a presença do Professor Senise na Química da USP.

Clique aqui para baixar o livro "Origem do Instituto de Química da USP, Reminiscências e comentários" escrito pelo Professor Paschoal Senise (formato <pdf> 9,34 MB).
 

 

Retorna a página anterior